Unidade ampara crianças e adolescentes contra Covid-19

De março a setembro deste ano, a Unidade de Acolhimento Institucional de Permanência Breve, localizada na Avenida Mário Leal Ferreira (Bonocô), realizou um total de 25 acolhimentos de crianças e adolescentes com idades entre 7 e 17 anos com suspeitas do novo coronavírus. Até o momento, apenas dois casos deram positivo.

Administrado pela Fundação Cidade-Mãe (FCM), em parceria com Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e a Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), o serviço foi inaugurado especificamente durante a pandemia da Covid-19. O objetivo é de acolher, por até 14 dias, crianças e adolescentes com toda a estrutura necessária, incluindo alimentação, higiene pessoal e teste de detecção da doença.

Se o teste der negativo e, dentro dos 14 dias, o acolhido não apresentasse nenhum sintoma, ele é encaminhado à outra Unidade de Acolhimento definida pela Central de Regulação de Vagas. No caso do teste positivo, o acolhido permanece na Unidade de Permanência Breve, tendo atendimento de técnicos da saúde, dentro da própria instituição, seguindo todos os protocolos definidos pela autoridades sanitárias.

 A presidente da Fundação Cidade Mãe (FCM), Gabriela Macêdo, destaca que o equipamento é importante para acolher a população carente, principalmente as crianças e adolescentes, e evitar novas transmissões. “Por exemplo, se uma dessas crianças estivesse com a Covid-19, não realizasse o teste, fosse para um abrigo e retornasse para sua família, imagine quantas outras pessoas poderiam ser infectadas. Aqui temos todo o cuidado em acolher, principalmente em cumprir a quarentena dos 14 dias, mesmo nos casos negativos. Isso foi crucial para diminuirmos a chance de novos infectados”, explica.