Prefeitura intensifica ações de controle à esporotricose em Salvador

Entre os meses de janeiro a abril desse ano o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) recebeu 305 notificações de animais suspeitos da doença, dos quais 79 foram confirmados pela equipe de veterinários do órgão. A Secretaria Municipal da Saúde notificou 25 casos humanos em 2019

As equipes do CCZ realizarão durante todo o mês de junho a intensificação das ações de controle da esporotricose, doença que pode acometer animais e seres humanos. Somente esse ano, foram registrados 79 casos da doença em gatos e cães de Salvador. A Secretaria Municipal da Saúde notificou 25 casos humanos em 2019.

Para evitar o avanço da esporotricose, agentes de combate às endemias, veterinários e biólogos do CCZ estão intensificando a busca ativa de animais com sintomas do agravo, bem como, promovendo atividades educativas nos postos de saúde e escolas para alertar a população sobre medidas preventivas contra a doença.

“Como detectamos muito rapidamente a presença do fungo em Salvador, estamos avançando com as medidas de controle na cidade. O trabalho intenso das equipes de campo é justamente para podermos identificar e tratar os animais com a micose e evitar que pessoas sejam acometida na capital”, destacou Aroldo Carneiro, veterinário do CCZ.

Micose subcutânea causada pelo fungo do gênero Sporothrix, a esporotricose afeta a pele e os vasos linfáticos próximos a ela, mas pode também acometer ossos, pulmão e articulações. O fungo pode ser encontrado naturalmente na terra, na matéria orgânica e nos vegetais, e quando a pessoa se fura com um espinho pode se infectar. O gato ao ter contato com o fungo no ambiente pode se infectar e transmitir para outros gatos ou pessoas através de mordeduras, arranhaduras ou contato com as feridas na pele.

A Prefeitura de Salvador oferta o atendimento veterinário aos animais com suspeita da doença, realizando o exame para diagnóstico. Caso a doença seja confirmada, o dono do pet recebe as orientações necessárias de como proceder e prescrição para o tratamento. Em casos de seres humanos, o paciente deverá se consultar com um médico, de preferência infectologista, para o diagnóstico e tratamento sejam feitos corretamente. A esporotricose é uma micose benigna e tem tratamento para seres humanos e animais.

Em 2018, foram registrados 56 casos suspeitos de esporotricose em humanos, dos quais 29 foram confirmados. Em animais, no ano passado foram notificados 289 suspeitas, dos quais 141 foram confirmados.