Mulheres que vão de salto alto para os circuitos do carnaval correm mais riscos de problemas ortopédicos  

saude_na_folia_mulheres_salto_28_02_2017 - SITETodos os anos é a mesma coisa. As mulheres se produzem para o carnaval como se estivessem indo para a balada, e o salto alto é o fiel escudeiro delas. O problema é que esse acessório que deixa as mulheres mais bonitas na folia, também é o responsável por traumas ortopédicos. Desde o início o carnaval foram realizados nos módulos de saúde da Prefeitura de Salvador 334 atendimentos ortopédicos, grande parte deles sofridos por mulheres.

“São mulheres que muitas vezes estão usando calçados inadequados e que precisam ir embora da festa antes dela acabar. São entorses ou outros ferimentos nos membros inferiores porque o salto não dá a estabilidade que elas precisam para andar no meio da multidão. É importante que elas prezem pela saúde e não só pela beleza”, alerta o médico coordenador Hospitalar e de Urgência da Secretaria Municipal da Saúde, Ivan Paiva.

As mulheres também são maioria quando o assunto é atendimento com quadro de embriaguez. Apesar do número decrescente de foliões fazendo o uso excessivo do álcool em relação ao ano passado, 53% dos pacientes atendidos foram do sexo feminino. “Quando você junta o álcool e o salto alto no carnaval, o resultado não pode ser muito diferente. Torções, fraturas e um prejuízo físico que pode durar além do carnaval”, finaliza Paiva.